Nota da CUT/MG em repúdio ao ataque da Polícia Federal à UFMG

A Central Única dos Trabalhadores de Minas Gerais (CUT/MG) se solidariza com o reitor, ex-reitores e servidores da Universidade Federal (UFMG), e repudia a operação truculenta e ilegal da Polícia Federal ocorrida no dia 6 de dezembro, em Belo Horizonte. A ação demonstra claramente que vivemos em um estado de exceção, em que os direitos fundamentais dos cidadãos não são respeitados. Muito menos a memória dos que lutaram, foram torturados ou morreram no período da ditadura militar, já que a operação recebeu, debochadamente, o nome de “Esperança Equilibrista” e é um ataque ao projeto do Memorial da Anistia. Reitores, ex-reitores e servidores tiveram a trajetória universitária jogada na lama. O caso se assemelha ao da Universidade Federal de Santa Catarina, em que a humilhação e a prisão, sem culpa comprovada, levou à morte o reitor Luiz Carlos Cancellier. Novamente, criou-se um espetáculo midiático em que o principal objetivo é condenar e criminalizar, destruir reputações.

Para a CUT/MG, o ataque à UFMG não é um fato isolado. Faz parte de um plano do governo golpista e ilegítimo de Michel Temer de desmoralizar e descredenciar as instituições públicas de ensino superior. Ainda mais uma instituição como a UFMG, que sempre foi um foco de resistência. Em seus 90 anos, se posicionou contra o totalitarismo, contra a ditadura militar e contra os golpistas, se colocando em defesa da democracia, dos direitos sociais e da liberdade de expressão. Envolver as universidades com supostos casos de corrupção é a estratégia dos golpistas para justificar a privatização, com o fim do ensino público e gratuito, proposto em relatório recente do Banco Mundial. Não basta apenas cortar a verba – de um orçamento de R$ 13 bilhões para as universidades em 2015, a previsão para 2018 é de R$ 5,9 bilhões -, a meta é privatizar tudo. Não apenas a educação, mas a saúde, os bancos públicos, todo o patrimônio do povo brasileiro e acabar com a soberania nacional.

Nós não ficaremos calados. Vamos lutar e resistir, sempre.